camaleaum

:::somos mutantes porque somos humanos:::

21.11.05

Eu, eu mesma e meu pai

Hoje um colega me perguntou se meu pai era do tipo "pai-herói", de tanto que eu falo nele.
Nao. Ele nao é.
É uma pessoa normal, geralmente de mau-humor. Diz-se "franco" quando é grosso e gesticula o suficiente pra deixar transparecer a descendência italiana.
Ele me ensinou a brigar.
E é meu melhor adversário.
Nossas brigas são sempre muito calorosas, dizemos coisas das quais nos arrependemos imediatamente e nos machucamos por dentro. Depois ficamos olhando um pro outro. Com ar desafiador. Com ar de culpa. Com ar de desculpa.
Acho que todo mundo devia ter o direito a levar uma briga com os pais às últimas consequencias. Faz bem, sabia? Voce descobre os limites deles e eles descobrem o seu. E daí podem-se dizer, um do outro, que ninguém lhes conhece melhor.
Meu pai me ensinou que a vida é um ringue e eu sou a 'Menina de Ouro' dele.
Ele sabe de coisas que nao digo. Me fala de coisas que eu preciso ouvir. Me dá bronca quado vê que eu me deixo injustiçar e me força a levantar durante a contagem.
"A vida te joga na lona todo dia. E todas as vezes que você cai, tem dez segundos pra decidir se levanta e volta pra briga, ou se entrega os pontos e morre."
Eu me levanto.
Todas as vezes que a vida me levar pra lona, eu vou me lembrar do meu pai e vou me levantar.