camaleaum

:::somos mutantes porque somos humanos:::

8.5.05

Dia das mães...

Apesar de hoje ser dia das mães, quero escrever sobre minha avó.
Hoje ela faria 74 anos.
Além de ser daquelas vovós bem doces, a minha ainda era inteligente, moderna, carinhosa... sinto tanto sua falta.
Eu queria lembrar de algum história pra publicar, mas minha memória tem nichos. Ás vezes as imagens vêm, mas são confusas. Não dá pra forçar. Se der pra lembrar de algo até o final do post, eu escrevo.
O que eu queria mesmo dizer é que a vida é frágil, curta e rara. E um dia você vai acordar e alguém com quem você convive nao vai estar lá. E nao importa o quanto você deseje, essa pessoa nao vai voltar.
Eu sei que algumas vezes é constrangedor dizer "eu te amo", e que outras tantas isso é completamente dispensável. Mas a última lembrança que tenho da minha avó é de quando ela foi pro hospital, na última semana de vida. Deitada numa maca, coberta por um lençól. Olhos perdidos na janela, como se desejasse estar lá fora. Havia perdido a fala num derrame. Ninguém sabe dizer se ela compreendia o que estava acontecendo, mas todos sabiam que era a última visita.
Eu tinha 15 anos e uma fé que podia mover montes. Quando saí do quarto, dei-lhe um beijo na testa e disse "até amanhã".
Era a frase errada.
Nao houve o amanhã pra ela. E eu jamais me esquecerei que a última coisa que eu lhe disse nao foi "Eu te amo". Foi "Até amanhã".
Por favor, não façam isso.
Amor faz bem pra quem sente, pra quem diz e principalmente pra quem ouve.