camaleaum

:::somos mutantes porque somos humanos:::

3.3.05

Espadas, escudos e solidão.

Um pedaço de mim vive aqui... mesmo que eu tenha apagado mais de dois anos de história, ainda está aqui dentro todas as lembranças de momentos felizes e alguns fracassos.
Apaguei porque nao queria me lembrar de tristes relatos que aqui deixei. Mas nao fez diferença. Eles ainda perduram dentro da minha mente. E sempre voltam.
Há alguns anos, escrevi aqui a dor de ter sido abandonada por alguém que eu amava. Acho que naquele tempo, tudo o que eu escrevia era mórbido, triste e cheio de rancor. Mas era assim que eu me sentia. Fui trocada. Traída.
Mas o tempo ensina e eu aprendi que aquilo tinha que acontecer. Que eu precisava abrir os olhos para o que é amor e para o que é paixão.
Aprendi que meu coração nao se vende. E tampouco se dá.
E acho que, mais uma vez, a vida me cobrou o extremo. Porque antes eu me doava completamente, sem questionar. E acabei sendo traída pelo meu coração. Então decidi me fechar. Cercar-me de todos os lados. "Nada de amor! Vou viver o que a vida me der, mas sem amor, sem esse sentimento de comprometimento. Nao vou me doar mais."
Nao pensei que do outro lado talvez houvesse alguém merecedor dos meus sentimentos. E talvez valesse a pena abrir mão das minhas grades, dos meus soldados, de toda a minha armadura...
Mas eu nao fui capaz de fazer isso.
E mesmo agora, escrevendo, nao sei se seria... e se eu me desarmasse e fosse novamente abandonada? Seria eu, com duas feridas. Nao. Nao posso me trair assim...
Nao sei o que devia ter feito, ou se ainda posso fazer algo... só sei que debaixo da armadura, existe uma pessoa. E mesmo que eu jamais tenha cedido, e talvez jamais mude minha postura quanto á isso, ainda assim a sua despedida da minha vida dói. E, por debaixo do elmo, eu choro essa dor em silêncio.